E lá se vão 2 meses sem Elvis!

escrito por Virazel nesta data  1. July 2016 21:59

Na verdade não consigo definir meu sentimento. Algumas vezes fico muito triste porque não tenho o Elvis mais perto de mim. Por vezes, sinto saudade; outras uma sensação de paz. 

Durante os 10 últimos meses de vida do Elvis, houveram tantos, mais tantos momentos que achei que ia perder ele... e ele dava a volta por cima, as minhas queridas veterinárias acudiam e pronto. 

Aprendi com isso que devemos curtir cada momento como se fosse o último, porque sabia que algum dia seria. 

E nesses meses, após a primeira convulsão, aprendi também que houveram vários Elvis nesse tempo. O último não era o primeiro. Sempre era tempo de morrer e sempre era tempo de renascer. 

E talvez por essa sensação de renascimento, não sinto tanta tristeza. Eu o sinto todos os dias. Ele vive no meu pensamento cada momento. Ele vive na sua sucessora. Eu o sinto na Coca. Talvez orientando-a pra me fazer feliz, talvez fazendo ela comer. A Coca nunca foi muito amante de comida, o Elvis também não era. Ele só melhorou depois que viemos morar no Rio Grande do Sul. Hoje, depois da partida dele, ela come. Coincidência? Eles deitam no mesmo estranho lugar na cozinha...

E assim morremos e nascemos todo dia. E assim também pra não passar em branco, ontem fiquei mais velha, mais experiente talvez mas com certeza mais vivida. Morri ontem, nasci hoje.


Tags:

Coca | Elvis

Comments

Add comment


(Will show your Gravatar icon)

  Country flag

biuquote
  • Comment
  • Preview
Loading



Vívian Razel

Começou dentro do agility por volta de 1999 em São Paulo, primeiro apenas acompanhando as provas de agility, frequentando treinos e aulas de adestramento. Alguns anos mais tarde surgiu a possibilidade de comprar seu primeiro Border Collie, em 2003. Elvis, cão que... leia mais

 


Últimos Comentários

Comment RSS


Agility Esporte - divertimento acima de tudo. Se você faz agility e não se diverte é porque está fazendo errado. Acima de qualquer coisa respeite seu cão, lembre-se que ele nunca erra, não tem culpa e não pediu para praticar o esporte. Assim o bem estar de ambas as partes é primordial sempre. "Praticar é preciso, divertir-se é necessário!"